home NOTICIA GERAL-02 195 views # #INVESTIGAÇÃO

Quem matou Arlene Giugni? Reconstituição do crime ganha data

Uma reunião entre Ministério Público do Pará, Polícia Civil e Polícia Científica deve definir as datas no início da próxima semana.


Em 18 de janeiro deste ano, Arlene Giugni da Silva foi morta a facadas no edifício Villa Dei Fiori, localizado na travessa Dr. Moraes, no bairro Batista Campos, onde morava com os filhos. Na época, o irmão de Juliana Giugni Cavalcante Soriano de Mello, o advogado Leonardo Felipe Giugni Bahia, chegou a assumir a autoria do crime sozinho, mas posteriormente, a irmã dele, Juliana Giugni, foi acusada de ser a autora do homicídio, sendo presa após se entregar na Justiça.
O Ministério Público entrou com um recurso contra a liminar concedida pelo Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), no dia 21 de outubro, que pôs em liberdade a advogada Juliana Giugni Cavalcante Soriano de Mello, suspeita de matar a própria mãe, Arlene Giugni da Silva. O homicídio ocorreu no dia 18 de janeiro deste ano, no bairro da Batista Campos, em Belém.

De acordo com o promotor da Vara do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Franklin Lobato Prado, a reprodução simulada dos fatos, também conhecida como reconstituição, já foi solicitada. Na manhã da próxima segunda-feira (31), o Ministério Público irá se reunir com a Polícia Civil e Polícia Científica do Pará para tratar de todas as provas materiais e perícias levantadas, além de acordarem uma janela para a reconstituição do crime. 

Em entrevista exclusiva, concedida ao DOL, no dia 17 de outubro, o advogado criminalista, Rodrigo Godinho, que defende Juliana Giugni, disse que o promotor de Justiça, Franklin Lobato, tem omitido informações para imprensa e nas peças processuais apresentadas pelo Ministério Público e que apenas Leonardo Felipe Giugni Bahia seria autor do homicídio.

Outra filha de Arlene, Lorena Cavalcante Giugni, também falou com exclusividadecom a reportagem e disse que acredita na inocência da irmã Juliana e tem a convicção de que o crime foi premeditado e cometido apenas por uma pessoa.

Fonte: Diário Online 

195 viewsPublicado por: Portal Capanema | em: 27/10/2022
COMENTE:
rgr capanema1
38C5DBD3-FF78-47A1-A951-442A00BC52AB
previous arrow
next arrow
rgr capanema
rgr capanema
previous arrow
next arrow